29/05/2018 -

 

Entre os dias 15 e 21 de maio de 2018, as 143 páginas que monitoramos publicaram 7.207 posts, que geraram 4.526.788 compartilhamentos. As páginas que mais postaram esta semana foram as de mídia: G1 (285 posts), SBT (279 posts) e Revista Isto É (267 posts).

Tabela 1: 20 posts mais compartilhados da semana (15/5/2018 a 21/5/2018)[1]

semana 28

Os 20 posts da tabela acima concentram 10% do volume total de compartilhamentos alcançados pelas 143 páginas ao longo do período. O recurso mais usado nestes posts foi a foto (60%), seguida do vídeo (30%) e do link (10%).

Sem dúvida, o tema que gerou mais posts essa semana foi o aumento do preço dos combustíveis anunciado pela Petrobrás. O conteúdo destes dividiu-se basicamente entre duas interpretações.

De um lado, tivemos seis posts da página Fora Temer, incluída recentemente ao ranking, que se utilizando da combinação foto e texto, comparou os preços do gás de cozinha, da gasolina, a taxa de desemprego e o dólar nos governos Dilma e Temer, evidenciando o quanto os índices eram bem mais baixos nos primeiro do que no segundo, e responsabilizou os “paneleiros” e “golpistas” por esta situação. Trazemos alguns exemplos. No 7º post, a página Fora Temer abordou o assunto por meio da questão: “Pai, o que é um imbecil? Filho, é o cara que com Dilma dava chilique para gasolina a R$2,98 e agora paga R$5 calado”. No 8º post do ranking, a página declara: “Gasolina e gás mais caro, Temer e Aécio soltos e os paneleiros sumiram!”. Já no 13º post, Fora Temer escreve: “A gasolina vai aumentar amanhã também. Espero que seu carro seja movido a panela”.

Já as páginas da nova direita atribuíram a culpa da alta dos preços aos governos petistas e apoiaram a paralisação dos caminhoneiros, prevista então para 21 de maio. Tal posicionamento é observado no 14º post do ranking, em que o MBL apresenta uma montagem com uma foto de Lula, Gleisi Hoffman, Dilma Rousseff, Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila, e afirma que tal conjuntura é culpa do “maior esquema de corrupção do país”, que “superfaturou” várias obras da empresa.

Essas páginas também aproveitaram para atacar o PT a partir da prisão de José Dirceu, autorizada pela substituta de Sergio Moro, a juíza Gabriela Hardt. Esta foi parabenizada pelo MBL no 10º post e comemorada pelo Vem Pra Rua no 11º post – “Quem imaginaria que um dia teríamos Lula, Dirceu e Pallocci na cadeia?”. O leilão do tríplex do Guarujá também foi usado nesse sentido pelo Vem pra Rua no 20º post: “Agora sim Lula pode dizer que o tríplex não é dele. A propina que levou Lula à cadeia finalmente será devolvida à Petrobras”.

O tema da corrupção foi abordado especificamente ainda pelos 9º e 15º posts da lista. O 9º, assinado pelo Vem Pra Rua, alerta: “91% dos deputados envolvidos na Lava Jato tentarão reeleição. Pesquise bem antes de votar. Limpar Brasília só depende de você!”. Já no 15º, o Ranking dos Políticos aconselha o povo a pesquisar o histórico do parlamentar que pretende eleger em sua página. A mensagem é acompanhada de foto em que uma manifestante segura o cartaz: “Um povo que elege corruptos não é vítima, é cúmplice”.

Outro assunto que rendeu posts entre as páginas da nova direita foi a defesa da atuação da Polícia Militar. No post mais compartilhado da semana, Jair Bolsonaro (PSL-RJ) reproduz matéria do programa Brasil Urgente em que depõe a mãe de um rapaz assassinado pela Polícia Militar. A mulher afirma não ter ressentimentos, não questionar “os planos de Deus”, e que se foi assim que Este decidiu “frear” o filho, que era criminoso e usuário de drogas, ela aceita. A mãe diz ainda que os responsáveis por esta situação são os políticos, que “roubaram o dinheiro da educação de seu filho”, e recomenda aos outros jovens que se encontram na mesma situação que saiam “dessa vida”, pois “o crime não compensa”. O 19º post traz o caso de uma pessoa assassinada em um assalto. A mensagem do MBL diz: “Foi assaltado, não reagiu, e ainda tomou um tiro. Os especialistas que criticaram a reação da PM no fim de semana podem dizer o que deu errado?”.

Por fim, outro tema que rendeu muitos compartilhamentos a ponto de levar páginas ao ranking foram campanhas promovidas por municípios. O 2º post mais compartilhado da semana é uma reportagem do G1 sobre a campanha da Prefeitura de Quaraí-RS, que aborda o planejamento familiar. O slogan adotado gerou polêmica na internet: “Só tenha os filhos que puder criar”. A Secretaria Municipal, responsável pela campanha, disse que este era o objetivo mesmo, estimular a reflexão sobre o tema. A campanha foi endossada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).

Já o 3º post mais compartilhado da semana foi feito pela Catraca Livre, mas na realidade sua autoria é da página da Prefeitura de Macapá. Trata-se de uma campanha de conscientização sobre a violência contra a mulher. Em vídeo, meninos são chamados a interagir com uma menina até que são incitados a dar-lhe um tapa. Todos reagem negativamente à proposta, defendendo que isso não deve ser feito. A ideia é mostrar que o mundo dos adultos deveria seguir a lógica das crianças, para que se diminuísse o número de casos de violência contra a mulher na cidade.

O 5º post do ranking tem origem na página do Senado Federal e informa sobre a aprovação de um projeto de lei que pune quem cometer abandono afetivo.

Em resumo, observamos que o debate político no Facebook Brasil foi pautado nesta semana por temas recorrentes em nossos rankings: Operação Lava Jato, Petrobras, corrupção, violência, policiamento e família. Conforme esperado, o aumento dos combustíveis e a paralisação dos caminhoneiros, principal evento político dos últimos dias cujos impactos estão sendo sentidos por todos os brasileiros, também embasou as discussões políticas na rede. De modo semelhante ao que ocorreu nas Jornadas de Junho de 2013, verificamos que esta manifestação possui apoio entre páginas de direita e de esquerda, um fenômeno inédito desde que iniciamos o monitoramento. Contudo, estes atores entendem que o aumento do preço dos combustíveis possui causas e culpados distintos. Os primeiros responsabilizam o PT. Os segundos dirigem suas críticas ao presidente Michel Temer e ao mercado internacional. Outra diferença importante a ser ressaltada nessa comparação é o fato de que as manifestações de junho de 2013 foram convocadas por movimentos da esquerda autonomista, enquanto a “greve” atual parece ter sido organizada por grandes empresários ligados à nova direita, o que faz com que muitos se refiram a esta como “locaute”.

Não sabemos ainda quais serão os desdobramentos finais dessa paralisação. Embora a reivindicação seja legítima e de interesse geral, os resultados concretos dependerão de quais atores se sentarão à mesa para negociar seus termos. Até o momento, o desabastecimento vem provocando grandes prejuízos econômicos e sociais. Tudo indica que este é um momento limítrofe para o governo federal e para a atual administração da Petrobrás.

Este assunto deve render ainda muitas posições nos rankings das semanas subsequentes.

 

[1] Excluímos da lista dessa semana os posts de O Globo (2), Fora Corrupção (1) e Adilson Barroso (3) por não contemplarem assuntos relacionados à Política.