08/04/2019 -

Por Natasha Bachini e João Feres Jr.

Entre os dias 24 e 30 de março de 2019, as 158 páginas que monitoramos publicaram 7.599 posts, que geraram 4.927.627 compartilhamentos. As páginas que mais postaram nessa semana foram: Veja (395 posts), Estadão (384 posts) e O Globo (376 posts).

Entre os dias 24 e 30 de março de 2019, as 158 páginas que monitoramos publicaram 7.599 posts, que geraram 4.927.627 compartilhamentos. As páginas que mais postaram nessa semana foram: Veja (395 posts), Estadão (384 posts) e O Globo (376 posts).

Tabela 1: 20 posts mais compartilhados da semana (24/3/2019 a 30/3/2019)[1]

 

 semana 72

Os 20 posts da tabela acima concentram 13% dos compartilhamentos obtidos pelas 158 páginas ao longo do período. Os recursos mais empregados nos posts foram foto (40%), seguida de link (30%) e vídeo (30%).

Mais uma vez, Jair Bolsonaro foi o político cujos posts mais viralizaram na rede, conquistando oito posições na lista. Em suas mensagens, o presidente acusou a imprensa de fazer oposição ao seu governo, ora se utilizando de um trecho da fala de Eliane Catanhêde em um programa de TV, quando a jornalista afirmou que o ministro da Educação Ricardo Vélez teria sido demitido, ora por meio do apoio de Alexandre Garcia em seu programa na web, que endossa a tese de perseguição do presidente. Além de Garcia, dentre os posts dos veículos que integram o rol desta semana, a revista IstoÉ e a RedeTV! também vêm apoiando as decisões de Bolsonaro e o seu governo.

Bolsonaro também comemorou a decisão do ministro Edson Fachin de multar Fernando Haddad pelo impulsionamento de campanha negativa que o atual presidente alega ter sofrido durante as eleições. Bolsonaro também se posicionou sobre a confissão de Cesare Batisti com relação a crimes cometidos enquanto participante do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, acusando a esquerda brasileira de ter “apoiado e financiado um bandido”. O presidente ainda comentou sobre a isenção de vistos para turistas dos Estados Unidos, Austrália e Canadá, reagindo às críticas que recebeu e dizendo: “Quem sabe, em um segundo momento, não conseguimos a reciprocidade?”.

Em sua live, Bolsonaro anunciou: a “grande vitória” no leilão do trecho centro-sul da Ferrovia Norte-Sul; o cancelamento de jantar da Embratur que custaria R$290 mil ao governo; o fim das multas eletrônicas pelos “pardais” nas estradas; o reajuste quinzenal do óleo diesel e o cartão caminhoneiro, que garantirá o preço do combustível diário a esses trabalhadores; a compra direta das passagens aéreas pelos ministérios sem intermediação das agências; sua viagem à Israel para tratar de tecnologia para irrigação e para a psicultura; e defendeu a Reforma da Previdência como um mal necessário.

A Reforma da Previdência foi defendida também nos posts do Ranking dos Políticos e do Movimento Brasil Livre, que reproduziram a fala do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) na Comissão de Constituição e Justiça, e em matéria do R7, que apresenta a reforma como solução para o desemprego.

Outros assuntos presentes em vários posts do rol foram as posições polêmicas e as denúncias contra o desembargador Antonio Ivan Athié, que concedeu liberdade ao ex-presidente Michel Temer. Matérias da grande imprensa destacaram seu afastamento por sete anos do cargo, sob acusação de estelionato e formação de quadrilha, e os seus votos sempre favoráveis aos réus em oposição aos seus pares, citando os processos contra Adriana Ancelmo, Fernando Cavendish e outros.

Por fim, o único post da esquerda que alcançou alto número de compartilhamentos nesta semana foi o da deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), que rebateu com muita elegância o xingamento de “vadia” recebido do deputado Alexandre Frota (PSL-SP) durante o lançamento do seu livro na Câmara dos Deputados. Respondeu Manuela: “Pra cada grito de “vadia”, mais liberdade. Para cada gesto de ódio, mais amor. Vocês passarão. Nós, passarinho”.

Em suma, observamos que o presidente Bolsonaro segue utilizando o Facebook para informar seus eleitores sobre seus projetos e decisões, assim como não perde a oportunidade de atacar a esquerda e parte da imprensa em seus posts. Dentre as pautas comentadas nos posts, destaca-se a Reforma da Previdência, que vem sendo discutida no Congresso Nacional e defendida pelo governo e pelas páginas da direita. Nesse sentido, sobressai a atuação do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). Porém, se esta antes era advogada com entusiasmo por Bolsonaro, agora este a caracteriza como uma “necessidade”. As páginas da esquerda carecem participar mais ativamente deste debate na rede para que seus argumentos sejam melhor compreendidos pela população.

 

[1] Tendo em vista nossos propósitos, foi excluído um post da lista, de Adilson Barroso (presidente do Patriota), por não tratar de Política.