18/02/2018 -

 

Na primeira semana de fevereiro/2018 foram publicados 4.005 posts nas 41 páginas monitoradas por nossa pesquisa, totalizando 2.278.484 compartilhamentos. As páginas que mais postaram foram Folha de S. Paulo (358 posts), Record TV (255 posts) e Juventude Contra Corrupção (254 posts).

 

Tabela 1: 10 posts mais compartilhados da semana (31/1/2018 a 6/2/2018)[1]

Apenas um dos posts mais compartilhados da semana foi excluído do ranking por não tratar de tema político, estando, portanto, fora do escopo de nosso monitoramento. A origem da postagem excluída era a página do Portal R7.

Os 10 posts da tabela acima concentram 11% do volume total de compartilhamentos alcançados pelas 41 páginas monitoradas ao longo desse período. Dentre os recursos empregados, observamos um equilíbrio: metade dos posts do ranking são fotos e metade são vídeos.

O post mais compartilhado da semana pertence ao Conselho Nacional de Justiça e consiste em um informativo sobre as novas regras de trânsito para ciclistas e pedestres, que implicam em autuações para essas categorias.

O segundo post de maior alcance no período foi publicado por Lula. Trata-se da introdução da edição do Jornal Nacional do dia 1º de janeiro de 2003, data em que Lula foi empossado Presidente da República. O vídeo, que aborda de maneira positiva a eleição do ex-presidente, é acompanhado da legenda: “Já imaginou Bonner ter que anunciar isso de novo?”. Lula também assina o décimo post da lista. Este consiste em um ranking onde Lula se destaca como o presidente mais votado da História da humanidade, segundo levantamento do Instituto Lula.

O terceiro post é da Juventude Contra Corrupção (JCC). Trata-se de um vídeo do pastor Silas Malafaia denunciando suposta armação da pesquisa Datafolha. Primeiramente, o pastor acusa a Folha de S. Paulo de deturpar as informações sobre o patrimônio de Jair Bolsonaro. Em seguida, Malafaia acusa o Instituto de colocar Luciano Huck como opção no questionário com o objetivo de dividir os números do eleitorado de Bolsonaro e de favorecer Lula, posto que ele, mesmo condenado em segundo instância, foi igualmente incluído na pesquisa e não teve seu patrimônio investigado.

O quarto e o sexto posts são do Movimento Brasil Livre (MBL). O primeiro consiste numa montagem de fotos em que se acusa o PT de oportunismo político a partir do caso do auxílio-moradia concedido aos juízes federais em 2014. O segundo é um vídeo no qual o movimento expõe todos os benefícios que possuem os senadores. Este vídeo foi produzido pelo Ranking dos Políticos, página que também figurou no ranking.

O quinto post pertence ao Vem Pra Rua, e promove campanha contra Gilmar Mendes, que decidiu fazer uso de aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) após ter sido alvo de protestos em um voo comercial.

O sétimo post é do Ranking dos políticos e tem como proposta recuperar os últimos 20 anos da história política brasileira em 20 minutos. A animação apresenta o país metaforicamente como um navio, e os seus presidentes como comandantes. Todos eles são responsabilizados por aumentar impostos, diminuir o investimento nos serviços públicos, privilegiar seus correligionários e acabar com o dinheiro dos cofres públicos. Contudo, a presidente Dilma é representada de maneira mais negativa, como se tivesse perdido o controle da embarcação e sido jogada ao mar.

O oitavo post é da Mídia Ninja e relembra a fala do senador Romero Jucá (PMDB), em um diálogo com Sergio Machado gravado em março de 2016 sugeriu que a substituição de Dilma Rousseff por Michel Temer na presidência da República seria uma forma de “estancar a sangria” promovida pelas investigações da Operação Lava Jato. O post alerta para o arquivamento de 8 inquéritos contra Jucá no STF.

O nono post, do Conversa Afiada Oficial, consiste em uma fotomontagem em que Geraldo Alckmin, João Doria, José Serra, Michel Temer, Luciano Huck e Aécio Neves aparecem rindo sob a legenda: “Aí a gente disse: ‘A reforma da Previdência vai beneficiar o povo’”.

O ranking dessa semana foi o que apresentou maior presença de páginas de esquerda (40%) desde que iniciamos o monitoramento. Além disso, pela primeira vez, nem Jair Bolsonaro nem Marco Feliciano tiveram posts na lista. A combinação desses dois elementos resultou em conteúdos menos agressivos e discussões mais amplas incitadas pelos posts listados ao longo do período. As eleições de 2018, o comportamento do Judiciário e a Reforma da Previdência foram os assuntos predominantes. Vejamos se esses dados representam uma alteração pontual ou um ponto de inflexão no debate político do Facebook Brasil.

 

[1] Apenas um dos posts mais compartilhados da semana foi excluído do ranking por não tratar de tema político, estando, portanto, fora do escopo de nosso monitoramento. A origem da postagem excluída era a página do Portal R7.