28/02/2018 -

 

Entre 14 e 20 de fevereiro de 2018 foram publicados 3.786 posts nas 41 páginas[1] monitoradas por nossa pesquisa, totalizando 2.388.614 compartilhamentos. As páginas que mais postaram foram as de mídia: Mídia Ninja (276 posts), Metropolitana FM (260 posts) e VEJA (255 posts).

 

Tabela 1: 10 posts mais compartilhados da semana (14/2/2018 a 20/2/2018)[2]

Os 10 posts da tabela acima concentram 15% do volume total de compartilhamentos alcançados pelas 41 páginas ao longo desse período.

 

Os 10 posts da tabela acima concentram 15% do volume total de compartilhamentos alcançados pelas 41 páginas ao longo desse período. O recurso mais usado foi a foto (60%), seguido pelo vídeo (40%).

A página da Mídia Ninja lidera novamente o ranking dos posts mais compartilhados em fevereiro/2018. O post que alcançou o primeiro lugar consiste na saudação à escola Paraíso do Tuiuti pelo caráter político do seu desfile, especialmente no que toca a denúncia da manipulação das pessoas na conformação do golpe que destituiu Dilma e a crítica às reformas de Temer e ao preconceito racial. A página também responde pela terceira colocação, que trata do mesmo tema. Neste post, a Mídia Ninja revela que Michel Temer deu ordens extraoficiais para que o “Vampirão Neoliberalista”, personagem da Tuiuti que o satirizou, não usasse a faixa presidencial no desfile das campeãs.

O segundo post mais compartilhado é do Vem pra Rua Brasil. Este reivindica, por meio de foto, o fim das indicações políticas para o Superior Tribunal Federal (STF).

O quarto post é do Conversa Afiada Oficial. Consiste em um vídeo da TV Afiada intitulado “Vem aí o arrastão do fim do mundo”, no qual Paulo Henrique Amorim comenta alguns acontecimentos importantes da semana, como o constrangimento e as gafes dos jornalistas da Globo na cobertura do desfile da Paraíso do Tuiuti e dos blocos de carnaval que gritavam “Fora, Temer” e “Abaixo a Rede Globo”, a seletividade das investigações da Lava Jato, o apoio à invasão da Venezuela por parte de Míriam Leitão, e, finalmente, os “arrastões” para aprovar a Reforma da Previdência, da prisão em segunda instância do STF, da aplicação da ficha limpa e da suspensão da eleição. Para o jornalista essa é uma possibilidade caso a oposição ao PT perceba que o seu candidato à Presidência, sendo Lula ou não, tenha chances significativas de vencer o próximo pleito.

O quinto post é uma reportagem do programa da Record TV Domingo Espetacular. Este aborda o desconhecimento do benefício ID Jovem, por meio do qual os estudantes de baixa renda podem viajar entre estados sem pagar nada, e o não cumprimento da lei por parte das empresas de ônibus.

O sexto post é do ranking dos políticos. Consiste em um quadrinho no qual um personagem do Maurício de Souza questiona porque os políticos recebem milhões em benefícios como saúde, transporte e moradia, visto que se pressupõe que com o salário mínimo o trabalhador consegue arcar todos esses gastos.

O sétimo post é de Lula e reproduz um tuíte no qual se afirma: “Saudade daquele país quebrado do PT onde havia pleno emprego, gás e cozinha e combustível sem reajuste semanal, havia leis trabalhistas e financiamento habitacional, o salário mínimo aumentava em vez de diminuir, podíamos nos aposentar e éramos respeitados no exterior”.

O oitavo e o nono post são de Jair Bolsonaro. No primeiro, com a televisão passando o programa da Globo News ao fundo, o deputado afirma que os jornalistas da Globo comentam sobre Segurança Pública sem entender do assunto. Bolsonaro defende a retaguarda jurídica aos policiais no combate à violência, o excludente de ilicitude[3] em operação e se posiciona favoravelmente à intervenção no Rio de Janeiro, mas critica o seu planejamento. O segundo post de Bolsonaro é a reprodução de um vídeo de uma câmera de segurança que mostra homens armados rendendo um ladrão em uma tentativa de assalto na rua. Este vem acompanhado da legenda: “Armas nas mãos de pessoas certas trazem segurança”.

O décimo post é do Movimento Brasil Livre (MBL) e consiste numa fotomontagem que ironiza o socialismo a partir das afirmações que venezuelanos, cubanos e norte-coreanos preferem fugir dos seus países à viver sob esse regime.

Em suma, observamos que o debate político no Facebook tem como pano de fundo desde o início do ano as eleições de 2018. A esquerda segue garantindo 40% das posições do ranking. Lula e o PT voltaram a ser pautados pelos posts, mas dessa vez, majoritariamente pelas páginas de esquerda, que seguem denunciando o golpe e o seus desdobramentos nefastos para a sociedade brasileira. Já as páginas da direita se dividem em três frentes. A primeira se dedica a defender o punitivismo como solução para a Segurança Pública, tema que foi retomado devido à intervenção federal no Rio de Janeiro. A segunda se aproveita da crise da Venezuela para defender o Estado mínimo. A terceira reivindica, de modo geral, o fim dos benefícios aos servidores do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, direcionando suas críticas especialmente a esses dois últimos poderes ao longo do tempo. Até as eleições, muita água ainda vai passar por debaixo dessa ponte. E nós estaremos atentos monitorando as (re)configurações do embate político no Facebook.

 

[1] Após a decisão da Folha de S. Paulo, em 8 de fevereiro de 2018, de não publicar mais no Facebook, a página foi substituída em nosso monitoramento pela subsequente, de O Globo.

[2] Tendo em vista os objetivos de nosso monitoramento, foram substituídos 3 posts no ranking dessa semana: 1 do G1, 1 do Catraca Livre e 1 de Adilson Barroso (PEN).

[3] Segundo o 23º artigo do Código Penal Brasileiro, não há ilicitude quando o agente pratica fato considerado criminoso nas seguintes circunstâncias: em caso de necessidade, em legítima defesa e em estrito cumprimento  de dever legal ou exercício regular do direito.