06/05/2019 -

 

Criado para acompanhar a cobertura da grande mídia brasileira, o Manchetômetro surge no período em que a esquerda, especificamente o Partido dos Trabalhadores, governava o país. Nossas análises deste período demonstraram que a cobertura dedicada à então candidata e posteriormente presidente da República Dilma Rousseff e a seu partido, o PT, tiveram viés bastante negativo.

Após o período bastante conturbado da política nacional que culminou com a ascensão de Michel Temer à presidência, Jair Messias Bolsonaro venceu as eleições, em 2018, pregando uma agenda de ódio ao PT. Tal revés na orientação ideológica nos possibilita averiguar, como fizemos com Temer, possíveis diferenças de abordagem por parte dos jornais impressos de maior circulação no Brasil. Para tanto, este boletim apresenta análise comparada entre os primeiros 100 dias do segundo Governo Dilma (01/01/2015 a 10/04/2015) e do governo Jair Bolsonaro (01/01/2019 a 10/04/2019), nas páginas do Estado de São Paulo, Folha de São Paulo e O Globo.

Dos três jornais, O Globo é o único que reduziu a cobertura, isto é, somando economia e governo federal encontramos 858 notícias referentes ao governo Dilma e 630 sobre Bolsonaro. Ao passo que a Folha de São Paulo ampliou o noticiário nos primeiro 100 dias em 47%, em termos comparados. O Estadão, por sua vez, manteve sua cobertura praticamente a mesma, com uma leve queda na cobertura de 2,5%.

Gráfico 1 – Economia durante os 100 primeiros dias em matérias sobre o Governo Federal (%)

eco100

Fonte: Manchetômetro

O primeiro dado comparativo que salta aos olhos é o da economia. A despeito de os principais indicadores estarem piores no começo do Governo Bolsonaro do que no de Dilma, a cobertura dos jornais foi bastante desfavorável a Dilma: ela ganhou quase o dobro de matérias negativas (70%) de Bolsonaro (40%). Tal negatividade da cobertura se deu apesar de Dilma ter nomeado Joaquim Levy para ministro da Economia com o fito de “apaziguar” o mercado. Levy foi recentemente nomeado presidente do BNDES por Bolsonaro. Discrepância ainda maior encontramos na comparação de textos ambivalentes, neutros e favoráveis, com Bolsonaro alcançado marcas que superam o dobro das de Dilma. Ainda que isso seja previsível, dado a diferença nas negativas, chama atenção Bolsonaro ter recebido mais de 20% de matérias favoráveis, algo bastante raro na cobertura da política, mesmo da política economica.

Gráfico 2 – Governo Federal durante os 100 primeiros dias (%)

gv100

Fonte: Manchetômetro

Gráfico 3 – Presidenta/Presidente durante os 100 primeiros dias em Percentual

pres100

Fonte: Manchetômetro

Os gráficos 2 e 3 são praticamente idênticos e mostram que uma significativa diferença entre as coberturas de Bolsonaro e Dilma, novamente no mesmo sentido: favorável ao político do PSL. Ele recebeu dois terços da proporção de negativas de Dilma e sua cobertura “benigna” (favoráveis, neutras e ambivalentes) foi mais expressiva que a dela. Contudo, comparando a cobertura da economia do Governo Bolsonaro e do presidente notamos que os jornais foram mais benevolentes com a primeira do que com o segundo. Isso provavelmente se deve à adesão histórica dos periódicos ao neoliberalismo, encarnado pelo ministro da economia, Paulo Guedes, e seu apoio a pautas como privatizações de empresas públicas, reformas trabalhista e da previdência e outras medidas pró mercado.

Mas, como cada jornal se comportou ao longo do período?

Gráfico 4 – Variáveis Contrário e Favorável de Economia por jornal durante os 100 primeiros dias (%)

cont100

Fonte: Manchetômetro

 

Mais uma vez, uma análise do Manchetômetro revela a falta de pluralidade externa da grande imprensa brasileira. O Gráfico 4 mostra que os três jornais tiveram comportamento muito similar no que toca a cobertura da economia, particularmente nos 100 primeiros dias do Governo Dilma. Mesmo a cobertura da economia do Governo Bolsonaro teve perfil bastante similar nos três jornais, com um maior entusiasmo do Estadão em relação ao novo governo do PSL.

 

Gráfico 5 – Variáveis Contrário e Favorável de Governo Federal divididas por jornal durante os 100 primeiros dias (%)

jorna100

Fonte: Manchetômetro

 

Desde o período de campanha, Jair Bolsonaro estabelecer um mau relacionamento com a grande mídia. Logo na primeira entrevista coletiva após o período eleitoral, os três jornais analisados neste boletim ficaram de fora da lista de veículos autorizados, juntamente com Valor Econômico, CBN e EBC. Outro episódio emblemático foi a declaração sobre a Folha de São Paulo durante entrevista ao Jornal Nacional, no dia 29 de outubro de 2018: “Por si só, esse jornal se acabou”. Embora O Globo também tenha sofrido ataques do presidente a respeito do corte de verbas e ao considerar a empresa como “inimiga” que o “ferrou… antes, durante e depois da campanha”, foi a Folha que recebeu o título de ‘toda a fonte do mal’ na imprensa, em chamada publicada na capa do jornal no dia 28 de março de 2019. Diante deste ambiente, é primordial analisar a cobertura individualizada de cada periódico.

Apesar de seu mau relacionamento com os meios, Bolsonaro foi mais noticiado que Dilma, e a proporção de publicações contrárias em relação às favoráveis foi maior para Dilma em todos os veículos, tanto para economia quanto para governo federal.

Os 100 primeiros dias são considerados na literatura como o período de Lua de Mel para os governos, durantes o qual as forças políticas de oposição e a imprensa fazem uma trégua com o objetivo de possibilitar ao novo governo tempo para apresentar suas propostas.

Podemos concluir que devido ao estado calamitoso da economia no presente, a cobertura desse tema pelos jornais foi relativamente benevolente durante os 100 primeiros dias. Isto é, o Governo Bolsonaro gozou de uma Lua de Mel, ainda que anêmica, no tocante a economia. Na cobertura dedicada ao Governo e à figura de Bolsonaro não podemos falar de Lua de Mel.

Já Dilma, não teve o menor resquício de Lua de Mel, como já demonstramos com dados exaustivos anteriormente (FERES JUNIOR e SASSARA, 2018), e isso em um período no qual a economia brasileira estava em melhores condições.

 

Referências Bibliográficas

FERES JÚNIOR, João; SASSARA, Luna de Oliveira (2018), Failed Honeymoon: Dilma Rousseff’s Third Election Round. Latin American Perspectives. Vol. 45, No. 3, pp. 224-235.