03/01/2019 -

No primeiro dia do ano, o jornal O Globo adotou já na capa um discurso político ao cobrir, como de costume, a festa da virada em Copacabana. Uma foto enorme do espetáculo de fogos de artifício toma metade do espaço da capa, em cima dela temos a manchete “virada da renovação” seguida do subtítulo “torcida por mudanças no Rio e no Brasil une 2,5 milhões de pessoas em Copacabana”.[1] O jornal foi bem além da descrição dos óbvios desejos de boas festas que as pessoas normalmente trocam nessa data, ao ligar a ideia de renovação aos novos governos eleitos de Jair Bolsonaro e de Wilson Witzel e apresentar o público que compareceu à festa como unidos em torno dessas expectativas. Não bastasse isso, embaixo da foto há um texto supostamente descritivo que contém a seguinte passagem: “Após um ano difícil, de crise nos serviços públicos e intensa polarização política, cariocas e turistas expressaram o desejo de renovação, no estado e no país, com mais segurança, empregos e reconciliação”. Na segunda chamada da capa, o jornal destaca que o novo presidente pregaria união, ou seja, reconciliação, em seu discurso de posse, na mesma data. Ou seja, o jornal apresenta um futuro presidente antenado com os anseios populares.

O leitor desavisado pode imaginar que o jornal fez algum tipo de pesquisa entre os participantes da festa de Copacabana para chegar a tal conclusão acerca do ânimo popular em relação às novas administrações que ora começam. Mas não, tal interpretação parece ser produto de puro entusiasmo editorial.

A chamada principal da capa leva para as páginas 7 e 8 do primeiro caderno, que contém o resto da cobertura da festa de Réveillon. O estilo elegíaco da cobertura permanece. A página 7 é adornada por foto também gigante do Cristo com os fogos de Copacabana ao fundo. O título principal é “Fé na Virada”, em cima dele, como a nomear a seção do jornal, lemos “Ano de Reinvenção”, e logo abaixo temos o subtítulo “2019 começa com o pé direito, esperança na renovação e força para superar dificuldades”. É difícil subestimar a euforia da apresentação. O resto da página é tomada por um texto que a princípio parece uma reportagem, as contém editorializações bastante estranhas, como na seguinte passagem em que o autor anônimo: “que o belíssimo espetáculo de fogos no céu… ilumine a reinvenção do Rio”.  A página 8 contém exclusivamente fotos da festa.

O editorial, dedicado ao novo governo do Estado do Rio, afirma que o desempenho de Witzel – um novato na política – é uma incógnita e sugere passos que o eleito deveria tomar para a recuperação econômica do estado diante da evolução de receitas e despesas, com destaque para a privatização da Cedae.

No dia seguinte à posse,  O Globo dedicou o editorial[2] a Bolsonaro com abordagem favorável, sublinhando mais uma vez um suposto potencial de pacificação do país. Na ótica do jornal, Bolsonaro fez um “correto contraponto” à radicalização ao falar em pacto e  mobilizou um “compreensível” discurso ideológico. Dando continuidade a uma chave interpretativa já de longa data, que estabelece um mito de origem, o jornal refere-se ao governo PT  como fonte exclusiva de “distorções” com as quais o novo presidente terá que lidar e cujo agravamento fiscal Michel Temer teria em parte contido. Além disso, o editorial ressalta a tarefa de aprovar a reforma da previdência, que o novo presidente herda e que, por sua suposta urgência, “não permit[iria] perda de tempo”.

Entre os colunistas, da mesma forma, há um clima favorável. Na coluna de Merval Pereira,[3] como de costume a mais consonante com o discurso editorial, foram vistos “avanços” “na relação do Executivo com os parlamentares, ponto fundamental para as reformas estruturantes que precisa aprovar”, além de um “choque positivo na relações promíscuas já naturalizadas em nosso presidencialismo de coalizão”. O articulista justifica a baixa presença popular em sua posse como resultado de medidas oriundas do abalo “em sua alma” gerado pelo atentado sofrido por Bolsonaro antes do pleito. Embora tenha indicado ser desnecessário o tom de investir contra a ameaça vermelha mencionada por Bolsonaro, para Merval, o presidente empossado ao tratar “das ideias e propostas” saiu-se melhor. Elio Gaspari[4] teceu críticas ao tom genérico do discurso de posse feito para a sociedade e destacou o choque entre sua “retórica apocalíptica” e a “harmonia prometida” no discurso ao Congresso. Mas dedicou seus últimos parágrafos a criticar os “partidos de oposição liderados pelo PT” por terem boicotado a cerimônia de posse e justificou a eleição de Bolsonaro dizendo que “os brasileiros querem mais segurança, mais ordem e mais liberdade na economia”.  A coluna de Bernardo Mello Franco[5] seguiu o mesmo roteiro de Gaspari:  localiza a distância na prática entre o argumento de um pacto em um dos discursos e o tom bélico no outro, terminando com críticas ao PT por não participar da posse. Em seu artigo, Zuenir Ventura[6] lembrou e enalteceu Chico Mendes e sua resistência contra a violência e a devastação imposta por latifundiários e madeireiros para fazer uma crítica leve a Bolsonaro. Em seguida, o escritor deposita de forma bastante ingênua no novo presidente a esperança de que “se inspire no clima conciliador e festivo da posse e faça uma autocrítica” ao tratar o assunto da devastação das florestas, sem sequer refletir sobre as declarações passadas de Bolsonaro sobre o tema ou mesmo à escolha bastante relevante da líder ruralista Tereza Cristina para o Ministério de Agricultura.

O texto de Ascânio Seleme[7] criticou o discurso de Bolsonaro no Parlatório, afirmando que teria exagerado “no tom e no conteúdo”, focando exclusivamente na ameaça do socialismo sugerida pelo presidente. Mas seu artigo se fecha com elogio à primeira dama, Michele Bolsonaro, pelo discurso em libras que fez antes do presidente. Outro artigo publicado na edição foi do cientista político Sérgio Abranches, que aborda de modo mais geral desafios que serão enfrentados pelo novo governo, em especial o de encontrar um equilíbrio entre as reformas econômicas, a pauta conservadora e aspectos sociais.

A cobertura das reportagens se fez no mesmo clima condescendente. Títulos como “Bolsonaro assume compromisso de ‘reerguer a pátria’”[8] e “No Planalto, presidente diz que o povo começou a se ‘libertar do socialismo’”,[9]  em um primeiro momento desempenham a função de replicar a fala de Bolsonaro, emprestando-lhe ares de realidade. Em outras matérias, o jornal destaca o “clima amigável” no Congresso e o pedido de apoio a sua agenda feito ali pelo presidente, enaltece a primeira dama e seu já mencionado discurso, além de destacar elogios de consultores de moda ao seu vestido. O jornal reproduz na íntegra ambos os discursos[10] feitos por Bolsonaro. Nos dois casos, O Globo adicionou algumas notas explicativas/descritivas às transcrições, sem críticas, terminando por legitimar seu discurso.

A referência às restrições impostas a jornalistas na cerimônia apareceram em uma pequena matéria[11] de fim de página na qual se afirma que tais regras “dificultaram o trabalho da imprensa” e fizeram com que “alguns” jornalistas estrangeiros abandonassem o evento. A matéria ainda justifica a atitude do novo governo citando o atentado sofrido pelo candidato Bolsonaro antes da eleição e ameaças recebidas. Por essas razões, teria havido “mais restrições do que o usual”.

O jornal O Globo começa o ano brindando o novo governo com uma entusiasmada lua de mel. Não é um problema relatar esperanças renovadas em inícios de novos ciclos, mas é digno de nota o silenciamento acerca das desesperanças daqueles que entoavam em coro “ele não” durante a passagem do ano. Ademais, na análise política não deveria haver espaço para ingenuidade. Contudo, O Globo mais uma vez parece colocar seus interesses políticos à frente do bom jornalismo, e apresenta uma cobertura edulcorada da passagem de ano e da posse dos novos governos, os quais enxerga como potenciais aliados.

O editorial do dia 2 fornece os elementos que estavam faltando à compreensão do comportamento do jornal: “O novo presidente herda desafiadoras distorções criadas a partir do segundo mandato de Lula (2007-10) e ampliadas no período Dilma Rousseff (2011-16), quando o país serviu de laboratório para terapias estatistas de um nacional-populismo de esquerda que desmontou o equilíbrio fiscal”. Completando a narrativa o texto emenda: “Será bom começo se de fato o presidente cumprir a promessa de aposentar práticas fisiológicas de que PT e aliados se valeram para exercer o poder”.

Em suma, a narrativa da necessidade de dar fim à era PT, de reforçar um marco divisor, tão ardentemente propalada por O Globo, é a mesma que alimenta o antipetismo que elegeu Bolsonaro. Não é de surpreender que o jornal trate de maneira tão benevolente o político que se criou e prosperou alimentando essa narrativa. Se o presidente vai conseguir realizar a agenda que o jornal O Globo tanto anseia para o país, isso são outros quinhentos.

 

 

[1] Virada da renovação, O Globo, 1 de janeiro de 2019, p. 1.

[2] Acenos positivos ao entendimento e ao fim das divisões, 2 de janeiro de 2019, p. 2.

[3]  Merval Pereira. Duas vozes. O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 2.

[4] Elio Gaspari. O capitão chegou. O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 3.

[5] Bernardo Mello Franco. E o capitão não desceu do palanque. O Globo, 2 de janeiro de 2019, p.6.

[6] Zuenir Ventura. Lembrando um herói. O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 3.

[7] Ascânio Seleme. Que socialismo, presidente? O Globo, 2 de janeiro de 2019, p.6.

[8] O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 4.

[9] O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 6

[10] O primeiro discurso aos colegas de congresso, O Globo, 2 de janeiro de 2019,  p. 10; No Parlatório, a “bandeira que jamais será vermelha”, O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 11.

[11] Regras também dificultaram o trabalho da imprensa, O Globo, 2 de janeiro de 2019, p. 12.