02/07/2019 -

Por Eduardo Barbabela, Juliana Gagliardi, Natasha Bachini e João Feres Jr.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

A cobertura do dia 2 de julho foi marcada pela resposta do presidente do STF, Dias Toffoli, às manifestações de domingo, segundo o qual o STF precisa aguentar as críticas diariamente. Houve queda na quantidade de textos que citam o escândalo. Forma 13 textos no total.

O GLOBO

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

O Globo continuou com uma cobertura acanhada, com apenas 3 textos. Em reportagem, o jornal destaca fala de Toffoli sobre as críticas ao STF e reproduz críticas da oposição ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL – SP), que afirmou serem os senadores que questionaram Moro no Senado todos vagabundos. O presidente do STF também se negou a comentar o caso de Moro, afirmando que não teve tempo para ler sobre os fatos.

ESTADÃO

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Estadão mais uma vez deu pouca atenção á Vaza Jato, com quatro textos. A coluna do Estadão destacou que procuradores estão preocupados com a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público de arquivar processo contra Dallagnol, porque o fato serviu de combustível para parlamentares que pleiteiam um projeto mais duro de controle externo do Ministério Público. Em sua coluna, Eliane Cantanhêde questionou a atitude do governo de atiçar manifestações em um momento no qual o país encontra-se dividido entre críticos a Moro e apoiadores da Lava Jato e do governo.

FOLHA

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

A Folha de São Paulo, por sua vez, apresentou seis textos sobre a Vaza Jato. Em artigo, Ranier Bragon destaca a ida de Moro ao Congresso na terça, sob a suspeita de parcialidade. No Painel, o jornal destaca a crítica de membros do MPF à Raquel Dodge por não ter vindo a público atacar o ataque à privacidade dos procuradores da Lava Jato. Em reportagem, o jornal destaca o pedido da defesa do ex-presidente Lula de suspeição de Maurício Gotardo Gerum, procurador do caso do sítio de Atibaia.

JORNAL NACIONAL

Na edição de ontem (01/7) do Jornal Nacional não houve menção à Vaza Jato.

FACEBOOK

A Vaza Jato foi tema indireto de três posts dos dez mais compartilhados no 1o. de julho. No post campeão do dia o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) traz foto com um grupo de pessoas no ato pró-Moro do último domingo (30) e afirma: “Tiramos uma presidente corrupta sem quebrar uma janela nas ruas, elegemos um presidente de graça. Não será agora que vamos desistir do Brasil”. Já a página Conversa Afiada publicou um cartaz do desaparecimento de Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, suspeito de movimentação financeira fraudulenta, e questionou: “Moro, cadê o Queiroz?”. Por fim, a página do Estadão emplacou um post com matéria na qual esclarece que uma foto antiga de multidão em protesto em Vitória-ES foi atribuída erroneamente à manifestação favorável a Moro do dia 30.

CONCLUSÃO

As manifestações de domingo continuaram a render reportagens nas edições de hoje, voltadas principalmente à resposta do STF às críticas. A ida de Moro à Câmara dos Deputados hoje deve render boa repercussão amanhã. A contagem de matérias críticas a Moro chegou a zero em O Globo e lá ficou até agora. Enquanto isso, o Jornal Nacional opta por ignorar os vazamentos. Isto é, o Grupo Globo parece ter fechado questão em defesa do ex-juiz e da Lava Jato. O Estadão mantém atitude dúbia, ainda que ligeiramente pro Moro, enquanto a Folha é o único jornal que dá espaço consistente às críticas à atuação desses célebres agentes do sistema de justiça.