16/07/2019 -

 

dia36

O trigésimo sexto dia de cobertura trouxe uma cobertura tímida do escândalo. A Vaza Jato foi tema de apenas cinco textos nas edições diárias dos jornais, com as novas denúncias apresentadas pela Folha de São Paulo no domingo repercutindo apenas no próprio diário. O Globo novamente não citou o escândalo em suas páginas.

 

O GLOBO

glb

Não houve menção à Vaza Jato no dia de hoje (15/07).

ESTADÃO

esp

O Estadão continuou com sua cobertura acanhada, com apenas dois textos. Em artigo de opinião, Carlos Pereira discute sobre os limites da coordenação entre Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário. De acordo com o cientista político, a coordenação permitiu o sucesso da Lava Jato, porém os limites dessa parceria ainda são nebulosos.

FOLHA

fsp

A Folha diminuiu sua cobertura e apresenta apenas três textos sobre a Vaza Jato em sua edição diária. No Painel, Daniela Lima informa que as novos vazamentos publicados pela Folha de São Paulo que envolvem Deltan Dallagnol foram tema de questionamentos do STF a procuradores do MP, que avalizaram as palestras como filantrópicas, apesar dos claros planos para lucrar com as mesmas. Em coluna, Celso Rocha de Barros discute a importância da Vaza Jato para reavaliar a Lava Jato, buscando leis melhores a partir das novas informações apresentadas. Em reportagem, o diário destaca os desdobramentos políticos dos novos vazamentos, como os questionamentos do MBL sobre problema moral da atuação de Deltan Dallagnol, caso as mensagens se comprovem verdadeiras.

FACEBOOK

No dia 14 de julho não tivemos posts falando sobre a Vaza Jato entre os mais compartilhados. As páginas que alcançaram maior visibilidade defenderam em seus posts a Reforma da Previdência e anunciaram o fim da taxa administrativa para os radioamadores a partir de outubro.

CONCLUSÃO

A Vaza Jato tem tido pouca repercussão jornalística nos últimos dias. Entretanto, como a cobertura da Folha de São Paulo tem demonstrado, seus desdobramentos jurídico-políticos estão longe de acabar.